Close

Voc ainda no um membro? Registre-se agora.

lock and key

Log in.

Account Login

Esqueceu sua senha?

Horários de Funcionamento

Consultas: de 2ª a 6ª, das 8h às 18h. Marque já sua consulta.
Fisioterapia: de 2ª a 6ª, das 8h às 19h, somente com hora marcada.
Marcação de consultas e Fisioterapia: até as 18h.

Expedicionários da Saúde comemoram os resultados da viagem à Aldeia de Novo Paraíso, na Amazônia

12 mai Diversos, Notícias | maio 12, 2009

Durante sete dias, os médicos que compõem a equipe dos Expedicionários da Saúde
realizaram 1.391 atendimentos e 296 cirurgias

Nem mesmo as fortes chuvas que atingiram toda a região da Amazônia no mês de abril, provocando enchentes em muitos rios – dentre eles o Solimões – desanimaram a equipe médica dos Expedicionários da Saúde. Muito pelo contrário, para esses médicos o desafio costuma ser motivador, ainda mais quando o propósito final é ajudar o próximo, é o que garante o idealizador e presidente da ONG, Ricardo Affonso Ferreira. “Mesmo com tantos obstáculos, o resultado desta expedição foi surpreendente. Ver aquelas pessoas chegarem de barco, depois de terem viajado por mais de 24 horas e enfrentado as enchentes do rio para serem atendidas é uma experiência inesquecível”, confessa Ferreira.

Durante os sete dias em que os Expedicionários da Saúde estiveram na Aldeia de Novo Paraíso, localizada no município de São Paulo de Olivença, noroeste da Amazônia, foram realizadas 1.391 atendimentos e 296 cirurgias, das quais 174 foram oftalmológicas e as outras 122, gerais. Este ano, a equipe médica dos Expedicionários contou com o acompanhamento do anestesiologista José Luiz Gomes do Amaral, atual presidente da Associação Médica Brasileira (AMB), que ficou encantado com o trabalho realizado pela equipe e, segundo ele, já vestiu a camisa da ONG.

Essa foi a décima terceira vez que os Expedicionários da Saúde deixaram seus compromissos do dia-a-dia para embarcar em uma viagem cujo propósito é unicamente prestar atendimento gratuito e de qualidade às comunidades indígenas da Amazônia. O grupo, que inclui oftalmologista, ortopedista, anestesiologista, cirurgião geral, pediatra e médica da família, além de enfermeiras e profissionais de logística, que chega 10 dias antes para montar toda infraestrutura no local. Ao todo, são mais de oito toneladas de carga, entre barracas do Centro Cirúrgico Móvel, geradores, aparelhos de ar condicionado, equipamentos cirúrgicos, medicamentos, materiais de consumo, etc.

Sobre os Expedicionários da Saúde
A iniciativa da expedição surgiu em 2002, quando um grupo de amigos, formado por médicos e executivos em viagem ao Pico da Neblina (AM), teve a oportunidade de conhecer uma aldeia Yanomami. Surgiu então a idéia de usar toda a experiência profissional deles para melhorar a qualidade de vida da população indígena daquela região. E, para isso, buscaram entender a cultura local. Com a ajuda de antropólogos, procuraram as instituições responsáveis pelo atendimento à saúde na região para entender como trabalhavam e planejar uma atuação conjunta para somar esforços. Assim, em 2003, foi oficialmente estruturada a Associação Expedicionários da Saúde .

O grupo tem apoio do Comando Militar da Amazônia, que garante o transporte da equipe desde Manaus até um ponto de apoio em aviões da Força Aérea Brasileira (FAB). Uma das grandes dificuldades é o acesso aos locais de atendimento, que tem de ser feito por barcos. Também há uma forte parceria com os DSEIs – Distritos Sanitários Especiais Indígenas , Funasa e Funai , mas todo trabalho só é viabilizado em função de patrocinadores importantes que a cada expedição, contribuem com doações materiais, em serviços e financeiras.