Close

Voc ainda no um membro? Registre-se agora.

lock and key

Log in.

Account Login

Esqueceu sua senha?

Horários de Funcionamento

Consultas: de 2ª a 6ª, das 8h às 18h. Marque já sua consulta.
Fisioterapia: de 2ª a 6ª, das 8h às 19h, somente com hora marcada.
Marcação de consultas e Fisioterapia: até as 18h.

Cerca de 70% das crianças em idade escolar tendem a sofrer dores nas costas, alerta fisioterapeuta do IAF

31 jan Notícias | janeiro 31, 2012

O uso da mochila escolar já pode ser considerado assunto de saúde. Isso porque, com a volta às aulas, aumentam as reclamações de que o acessório é pesado demais. Segundo a fisioterapeuta-chefe do Instituto Affonso Ferreira em Campinas, Sylvia Helena Ferreira da Cunha Henriques, cerca de 70% das crianças e adolescentes em idade escolar tendem a sofrer dores nas costas devido ao carregamento de mochilas pesadas. “O excesso de peso pode, ao longo dos doze anos de escolaridade, causar problemas crônicos que persistem na vida adulta. Os riscos incluem tensão muscular, distorções das curvaturas naturais da coluna vertebral e protusão dos ombros. Com os ossos ainda em formação, pode determinar alterações posturais definitivas”, alerta Henriques.

Durante o período escolar, a coluna de crianças e adolescentes ainda está em fase de adaptação e não está completamente formada. Segundo a fisioterapeuta, o grande problema é a forma como as mochilas são utilizadas. “Elas são boas, mas são usadas de forma errada”, pondera Henriques. De acordo com ela, a melhor forma de utilizar o acessório é com ele mais junto ao corpo, com as alças ajustadas acima da cintura, contornando confortavelmente o tronco. “Adolescentes preferem utilizar mochilas folgadas, com isso, o peso pode ir muito pra trás, então eles fazem força pra frente, deixando a coluna sempre torta”, explica.

Embora a má utilização seja um grande problema, Sylvia Henriques alerta também para o peso que é carregado. “A mochila deve pesar menos de 10% do peso do corpo da criança. Por exemplo, uma criança de 40 kg, deve levar apenas 4 kg. O ideal, para este exemplo, é que a criança carregue entre dois e três quilos de livros, pois não podemos esquecer do peso da própria mochila”. Além disso, alerta a fisioterapeuta, é importante colocar os itens mais pesados mais perto das costas. “Caso contrário, o peso pode jogar a criança pra fora do centro de gravidade e provocar dores nas costas desnecessárias”, explica.

As mochilas com rodinhas, preferidas das crianças, têm vantagens sobre as com alça por não permitir a sobrecarga do peso sobre o tronco em desenvolvimento. Porém, os riscos de traumas que ocorrem quando as crianças correm puxando a mochila são maiores. “Os modelos com rodinhas podem provocar lesões pelo seu peso que costuma ser maior que as mochilas de alças, assim como o desconforto para levá-las em escadas, muito comuns nas escolas. A recomendação para utilização desse tipo de mochila é empurrar o peso e não puxar, como faz a maioria” alerta.