Close

Voc ainda no um membro? Registre-se agora.

lock and key

Log in.

Account Login

Esqueceu sua senha?

Horários de Funcionamento

Consultas: de 2ª a 6ª, das 8h às 18h. Marque já sua consulta.
Fisioterapia: de 2ª a 6ª, das 8h às 19h, somente com hora marcada.
Marcação de consultas e Fisioterapia: até as 18h.

Dor no Pescoço

A coluna cervical (ossos do pescoço) é composta por uma série de vértebras que começam no tronco superior e terminam na base do crânio. Seus ossos, juntamente com os ligamentos (parecidos com elásticos grossos) conferem estabilidade à espinha. Os músculos permitem apoio e movimento e ajudam a suportar o peso da cabeça. Entretanto, por ser menos protegido em relação ao resto da coluna vertebral, fica vulnerável a ferimentos e desordens que produzem dor e restringem os movimentos. Para muitas pessoas, a dor no pescoço é uma condição temporária, que desaparece com o tempo. Outras necessitam de diagnósticos médicos e tratamentos para o alívio dos sintomas.

O que causa a dor no pescoço?

Uma dor no pescoço pode ser resultado de anormalidades em tecidos moles – músculos, ligamentos e nervos – ou em ossos e articulações da coluna. As causas mais comuns se devem a ferimentos ou ao desgaste prolongado, até danificar o tecido. Em casos raros, infecções ou tumores podem causar essas dores. Já em algumas pessoas, problemas no pescoço podem ser os causadores de dores na parte superior das costas, nos ombros ou nos braços.

Doenças degenerativas e inflamatórias – Doenças degenerativas, como a osteoartrite (ou osteoartrose) e artrite reumatóide podem causar dores no pescoço. A osteoartrose quase sempre ocorre em pessoas idosas, como resultado do desgaste das articulações entre os ossos da coluna. A artrite reumatóide pode causar a destruição das articulações. As duas doenças podem causar rigidez e dor.

A degeneração do disco cervical também pode causar dores. O disco absorve o impacto entre os ossos do pescoço. Com esta doença degenerativa (que ataca geralmente pessoas com mais de 40 anos), o centro do disco (normalmente gelatinoso) perde o conteúdo aquoso e degenera, fazendo o espaço entre as vértebras diminuir. Com isso, cada vez mais aumentam as tensões nas articulações da espinha, causando gradativo desgaste e doença degenerativa. O conteúdo do disco cervical pode escapar entre as vértebras, quando a periferia do disco enfraquece e causar pressão na medula espinhal ou em raízes de nervos. Isto é conhecido como hérnia de disco cervical.

Ferimentos – Devido ao fato da coluna cervical ser tão flexível e por também ser o suporte da cabeça, ela é extremamente vulnerável a ferimentos. Acidentes de veículos motorizados ou em mergulhos, esportes de contato e quedas podem acarretar danos no local. O uso regular do cinto de segurança pode ajudar a prevenir ou minimizar um traumatismo. Uma colisão na parte traseira de um veículo pode resultar em extensão forçada – quando ocorre o movimento do pescoço para trás além dos limites normais ou flexão forçada (chamado de “chicotada”) quando há movimento para frente, além dos limites. Danos graves com fraturas e luxações podem danificar a medula espinhal e causar paralisia.

Quando você deve procurar auxílio médico?

Se dores graves ocorrerem após um acidente (automobilístico, mergulho ou queda), um profissional treinado, como um paramédico, deve imobilizar o paciente para evitar o risco de possível paralisia. Tratamento médico deve ser procurado imediatamente. Isto também deve ocorrer quando um acidente causa dores no pescoço que se estendem para braços e pernas. Dores que se espalham ou dormência nos braços ou pernas sem dores significantes no pescoço, mas seguidas de fraqueza, também devem ser avaliadas.

Se não tiver havido um acidente, você deve procurar socorro médico quando a dor no pescoço é:
- Contínua e persistente;
- Extrema;
- Acompanhada de dor que se espalha para braços ou pernas;
- Acompanhada de dores de cabeça, dormência, formigamento ou fraqueza.

Quem pode tratar de dores no pescoço?

Muitos pacientes procuram tratamento ortopédico para dores no pescoço, porque ortopedistas são especificamente treinados para lidar com o funcionamento do sistema músculo-esqueleto, incluindo diagnósticos, tratamentos e prevenções de problemas envolvendo os músculos, ossos, articulações, ligamentos e tendões. Enquanto alguns ortopedistas se especializam em apenas algumas áreas do sistema músculo-esqueleto, a maioria cuida de uma ampla variedade de doenças, ferimentos e outras condições, incluindo dores no pescoço.

Diagnosticando dores no pescoço

Determinar a origem da dor é essencial para recomendar o método ideal de tratamento e reabilitação. Portanto, um exame completo se faz necessário para determinar a causa de uma dor no pescoço.

Seu ortopedista irá pedir um histórico completo das dificuldades que você está tendo com seu pescoço. Ele pode lhe perguntar sobre outras doenças, qualquer ferimento que tenha ocorrido e qualquer queixa que você associe com a dor. Os tratamentos anteriores para sua condição serão observados.

Depois, seu ortopedista irá realizar exame físico que pode incluir a avaliação do movimento e sensibilidade do local e as funções de nervos e músculos de seus braços e pernas.

Estudos radiográficos quase sempre são feitos para permitir que seu ortopedista observe com mais clareza os ossos da coluna. Estas simples técnicas clínicas quase sempre ajudam a determinar a causa da dor no pescoço e a prescrever um tratamento eficaz.

Pacientes que requerem avaliações adicionais podem ser submetidos a um ou mais dos seguintes exames:
- Ressonância Magnética: este exame permite uma avaliação da medula espinhal e das raízes dos nervos;
- Tomografia Computadorizada: exame especial de raio X que permite uma cuidadosa avaliação dos canais ósseos e espinhal;
- Mielograma (inserção de corante ou material contrastante na medula espinhal): permite uma avaliação cuidadosa do canal espinhal e das raízes dos nervos;
- Eletroneuromiografia: teste que avalia as funções dos nervos e dos músculos.
Seu ortopedista pode adicionar à sua avaliação testes sanguíneos e, se necessário, consultas com outros especialistas médicos.

Tratamento

A forma de tratamento para a dor no pescoço irá depender do que o diagnóstico revelar. Entretanto, muitos pacientes são tratados com sucesso por meio de descanso, medicamentos, fisioterapia, exercícios, modificações das atividades ou uma combinação desses métodos.

Por exemplo, se a dor é causada por inflamação resultante de estiramento muscular ou de ligamentos, seu ortopedista irá prescrever descanso por um período específico de tempo, bem como remédios para reduzir as inflamações.
Se medicamentos são prescritos para reduzir a dor, devem ser usados apenas como indicados e não podem ser ingeridos por períodos extensos de tempo. Lembre-se também de que se seu ortopedista indicar o descanso como melhor forma de tratamento, é vital que você siga suas instruções corretamente.

Quando a dor no pescoço persiste ou é crônica, seu ortopedista pode recomendar um programa de reabilitação que inclui exercícios e vários tipos de fisioterapia para ajudar a aliviar sua dor e prevenir sua volta.

Poucos pacientes precisam de cirurgia para aliviar suas dores. Para a grande maioria, uma combinação de descanso, remédios e fisioterapia são recomendados. Cirurgias podem ser necessárias para reduzir a pressão na medula espinhal ou na raiz de um nervo, quando a dor for causada por uma hérnia de disco ou estreitamento da medula. Cirurgias também podem ser requisitadas após o trauma para estabilizar o pescoço e minimizar as chances de paralisia quando, por exemplo, uma fratura resulta em instabilidade do pescoço.