Close

Voc ainda no um membro? Registre-se agora.

lock and key

Log in.

Account Login

Esqueceu sua senha?

Horários de Funcionamento

Consultas: de 2ª a 6ª, das 8h às 18h. Marque já sua consulta.
Fisioterapia: de 2ª a 6ª, das 8h às 19h, somente com hora marcada.
Marcação de consultas e Fisioterapia: até as 18h.

Quadril

Quadril

Anatomia do Quadril e Artrose

Anatomia do Quadril: acetábulo, cabeça do fêmur e cartilagem.

Anatomia do Quadril: acetábulo, cabeça do fêmur e cartilagem.

A articulação do quadril é composta por uma esfera (cabeça do fêmur – osso da coxa) e uma cavidade (acetábulo – osso da bacia), onde a esfera deve se encaixar com perfeição. Faixas de tecido formam a cápsula articular do quadril, conectam a esfera ao acetábulo e fornecem a estabilidade à articulação.

Entre os dois ossos existe uma camada de cartilagem recobrindo-os de tal maneira que não permita o contato de osso com osso e facilite o deslizamento entre eles. Quando a cartilagem está preservada, sua espessura é sempre maior que cinco milímetros, sua superfície é lisa e macia e está totalmente banhada pelo líquido sinovial, que é um lubrificante de forma semelhante ao utilizado em engrenagens.

Um tecido fino e liso, chamado membrana sinovial, reveste todas as superfícies restantes da articulação. Em um quadril saudável, esta membrana produz o líquido que lubrifica e elimina a fricção nesta articulação. Normalmente, todas estas partes do seu quadril trabalham em harmonia, permitindo que você se mova facilmente e sem dor.

Quadril normal

Quadril normal

Quadril com artrose

Quadril com artrose

É importante observar que na articulação normal não há dor, porque o contato entre os ossos se dá na região da cartilagem, que não tem nervos. Porém, quando a cartilagem se desfaz, o contato de osso com osso (que tem nervos) é que produz a dor.

No quadril saudável, onde a cartilagem está preservada, o deslizamento é fácil e ocorre em amplitudes normais e sem dor. Porém, quando há destruição da cartilagem, geralmente aparecem dores e limitações dos movimentos, impedindo o doente de realizar suas tarefas de rotina. Estas limitações são progressivas e interferem cada vez mais na sua vida.

ARTROSE é a doença onde há perda da cartilagem, provocando dor e rigidez na articulação. Ainda não foi descoberta uma forma séria e confiável para recuperar a cartilagem doente e desta maneira evitar a cirurgia. A cirurgia indicada na artrose do quadril é a ARTROPLASTIA TOTAL DO QUADRIL, que substitui a articulação dolorosa por próteses tanto de metal e polietileno de alta densidade como outros materiais como cerâmica. Estes componentes fixam-se aos ossos com ou sem cimento acrílico, igual ao dos dentistas, dependendo do caso.

Esta cirurgia é muito segura e confiável. Nos Estados Unidos, as artroplastias totais do quadril e do joelho estão entre os procedimentos cirúrgicos mais comuns. Nos últimos 35 anos, o uso destes procedimentos tem crescido bastante, proporcionando alívio da dor e melhora na qualidade de vida para milhões de pacientes.

Entretanto, a decisão de realizar a artroplastia total do quadril deve ser discutida entre você, sua família e seu ortopedista, após uma avaliação inicial. Embora muitos pacientes que se submetem à ATQ tenham entre 60 e 80 anos de idade, os cirurgiões avaliam pacientes individualmente. As recomendações para a cirurgia são baseadas na intensidade da dor, limitações e estado de saúde geral, não unicamente na idade.

Cirurgias do Quadril

1. Artroplastia Total de Quadril

O termo ARTROPLASTIA TOTAL DO QUADRIL refere-se à cirurgia de substituição total da articulação do quadril por peças feitas de materiais artificiais (metal, cerâmico ou plástico), chamadas próteses. A primeira cirurgia foi realizada nos anos 50 na Inglaterra e, desde então, muito aperfeiçoada. Hoje em dia, nos Estados Unidos, são realizadas cerca de 400 mil dessas cirurgias por ano e, felizmente, essa operação é uma das mais bem sucedidas, uma vez que a grande maioria dos pacientes a ela submetida está satisfeita com seu resultado.

2. Recapeamento de Quadril (resurfacing)

Ao contrário da cirurgia tradicional, nesse caso a prótese serve como “capa” para a cabeça do fêmur e é chamada, por essa razão, de prótese de superfície ou de recapeamento (resurfacing). As vantagens da nova técnica são que os cortes no osso são mínimos, preservando, assim, o estoque ósseo e uma eventual troca de prótese é mais simples e menos desconfortável. Essa cirurgia é recomendada para pacientes ativos, que ainda querem praticar alguma atividade esportiva e também para pacientes jovens, que tenham uma expectativa de vida longa, com a possibilidade de trocar a prótese e ainda terem um estoque ósseo.